Carlos Jorge Oliveira foi esta sexta-feira apresentado como primeiro candidato do PSD à
Assembleia Municipal, assegurando para o órgão deliberativo, no caso de ser eleito presidente,
“um debate político e não um debate partidário”. Na sessão ocorrida na Biblioteca Municipal, o
líder da concelhia do partido e seu candidato à Câmara Municipal, Emídio Sousa, anunciou uma
lista renovada para o órgão, desde logo nos três primeiros lugares.
“Não devemos procurar lugares mas devemos aceitar os desafios que se nos colocam” – vincou
Carlos Jorge Oliveira na sua intervenção, garantindo ter aceitado por uma questão de “dever
cívico de participação” e manifestando o desejo de “ter engenho, arte e sabedoria para honrar o
cargo”.
Carlos Jorge Oliveira apresentou três razões para ter aceitado o desafio, desde logo por, “desde
tenra idade” participar na vida ativa da cidade e do concelho, mas também porque a Assembleia
Municipal “é o órgão que fiscaliza o executivo, mas também de sustentação e apoio ao
executivo”. Por outro lado, disse rever-se na candidatura de Emídio Sousa, destacando nele três
qualidades, “inconformismo, visão e estratégia”, sustentando que “tem sido apanágio do PSD de
Santa Maria da Feira não ficar satisfeito com o que foi alcançado”.
O eurodeputado Paulo Rangel, convidado desta sessão de apresentação, disse entender que
Carlos Jorge Oliveira “representa o espírito da Feira e por isso tem as caraterísticas
necessárias” para ser o presidente da Assembleia Municipal. E descreveu assim o espírito dos
feirenses: “toda a gente é muito frontal e direta; as pessoas são muito pragmáticas quando há
problemas para resolver; há capacidade de iniciativa e ambição”.
“Vejo estas caraterísticas no Carlos Jorge Oliveira para o órgão que representa os cidadãos de
Santa Maria da Feira” – atirou Paulo Rangel, dizendo-se conhecedor “da essência do que é ser
feirense” e “satisfeito por apresentar um candidato que representará as qualidades e virtudes do
povo desta terra”.
Emídio Sousa, presidente da concelhia do PSD e seu primeiro candidato à Camara Municipal,
anunciou uma lista para a Assembleia Municipal com muitas caras novas, agradecendo o
trabalho de quem sai e destacando o “mandato exemplar” do atual presidente, Amadeu
Albergaria, que foi capaz de “garantir a pluralidade e de dar voz aos pequenos partidos”.
Destacando que, “por vezes, não damos a importância que a Assembleia tem”, Emídio Sousa
viu em Carlos Jorge Oliveira “uma pessoa completamente disponível e desinteressada”,
vaticinando que “tem muitas coisas para fazer”, num “território com dinâmica notável, onde já
faltam trabalhadores”.
“A nossa ambição é imensa, a nossa ambição nunca para” – conclui Emídio Sousa, perante uma
plateia que incluía dois antigos presidente da Assembleia, Orlando Oliveira e Cardoso da Costa,
e dois antigos presidentes da Câmara, Aurélio Pinheiro e Alfredo Henriques