Depois do lamento em “Far Away”, MIRZA Lauchand reaparece com novas canções. A receita é a mesma: mensagens poderosas e ritmos polivalentes. A promessa de que seria fácil cativar não ficou perdida no primeiro single, e também não se dilui nas melodias que chegam agora no EP de estreia, Híbrido Vol 1.

Se “Far Away” era uma ode ao amor ou à falta dele e de nós mesmos, “The Funk” é uma explosão de tudo o que precisamos de nos lembrar e na sua máxima força. A cacofonia que adorna a letra é digna de um club dos anos 60, com sensações confusas, perfeitamente organizadas numa canção que tanto pede que nunca se pare de dançar, ou que nunca se pare de lutar. Apela-se à união de todos, ao mesmo tempo que a voz de MIRZA parece disfarçada e saída de um outro corpo que não o dele.

“Dear God” é a oração melódica que faz com que se fique preso ao timbre r&b do músico moçambicano. Carregar no ‘play’ diversas vezes vai tornar-se um vício neste terceiro tema, já que encontramos MIRZA no seu estado mais puro e honesto. A musicalidade casa bem com o apelo aos céus de que isto é feito.

A edição de autor de Híbrido Vol 1 e a transversalidade dos temas quer mesmo dizer que MIRZA tem vários rostos, vários timbres, mas sempre a mesma intensidade. Ouvi-lo em registos tão diferentes é uma experiência sensorial especial, de tão ambígua e humana que pode soar. Sempre competente e sempre impactante,  Híbrido Vol 1 é, acima de tudo, uma estória que nos vai falar ao ouvido. E por demais à consciência, e só depois ao coração.

O título numérico do EP faz adivinhar mais edições com este formato. E isso parece um bom plano. As suas emoções, muito intimistas, parecem estar todas lá, e foram escritas como uma confissão. Uma espécie de purgatório. É que MIRZA sabe que deixar a luz entrar é também deixar a escuridão sair

Este é o primeiro trabalho discográfico do artista, que recentemente foi semi-finalista no programa de talentos da TVI “All Together Now”. O seu percurso junta também dezenas de anos a ser performer de grandes palcos ao lado dos grupos de Gospel Collective e Soul Gospel Project, e outras tantas colaborações com artistas da nossa praça.

O EP, produzido por MIRZA e também por LINK, já se encontra disponível em todas as plataformas digitais.